10.10.07

Tu queres é lã!



No tempo em que copywriting era uma noção incipiente na cabeça de indivíduos nefários, hoje commumente designados por marketers, houve homens que foram longe: o artista que concebeu e redigiu este anúncio transbordante de tensão sexual, prenho de simbolismo, e o departamento de arte e produção que acompanhou a sua visão. Desde a selecção destes esplêndidos espécimes, ao fotógrafo que capturou o abandono lânguido da estrela de variedades nos braços de Tarzan Taborda, passando pela equipa que assinou os detalhes de incontida sensualidade. Repare-se na instalação em torno do pescoço da menina, na camisola de lã que abraça com firmeza o cachaço do herói, amenizando a dureza do tronco varonil e da coxa retesada na calça de gola alta. A visualização final pauta-se também por um expressionismo inusitado para a época, na escolha das fontes, na disposição do lettering e no repertório estilizado de sinais enfáticos. No tempo em que a publicidade em Portugal era um veículo desportivo em fase de experimentação, alguém carregou no pedal e passou-se dos carretos.

5 comentários:

Ridwan disse...

Loucos anos 70 ou malditos anos 80?

João disse...

Diria que foram os malditos loucos setentas.

Alexandre disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ridwan disse...

"Isto é uma pouca vergonha! No tempo do Salazar não se via nada disto!"

João disse...

Não, só debaixo das saias do Cardeal Cerejeira. Malucas.

Arquivo do blogue