12.10.07

Rádio oxigenada


Não sei o que se passa com a playlist da Rádio Oxigénio, mas parece que alguém a trancou no disco e deitou fora o código. Será que o conceito “actualização” não faz parte do imaginário de Mr. Montez? Caraças pá, a ideia de ter uma alternativa à bimbalhice que abafa o éter português é toda muito boa até ao momento em que somos bombardeados com as mesmas músicas vezes sem conta ao longo do dia, por aqueles que apregoam a diferença. Músicas que, muitas vezes, parecem escolhidas sem critério. Será que ninguém percebe que as vozinhas escanifradas no tema dos Justice despertam pensamentos infanticidas desde a 3ª audição? E de quem foi a ideia de colocar em rotação implacável aquela coisa nauseabunda que dá pelo nome de Escort? Ó senhores, ó menina, piedade! Não bastava terem no ar um spot ao restaurante La Moneda que parece ter sido gravado na casa de banho com um microfone Crown, em que o locutor diz, a rematar, “nós não queimamos o jantar” (será um slogan, uma tagline, uma ideia, até?). Ainda há espaço para zurzir a paciência já consumida do ouvinte com M.I.A. e um ataque de azia indiana. O álbum tem muitas músicas. E algumas são boas! Para agravar a situação, sou forçado a ouvir a emissão proveniente de duas zonas distintas da sala onde trabalho, pelo que o delay faz parte da minha vida. Tudo bem com a voz maviosa da Rita Moreira, mas ó sofrimento duplicado quando as criancinhas já guicham de um lado e se preparam para atacar do outro. Não há dinheiro para discos novos? Pois pirateiem, como qualquer pessoa normal. O tempo em que as editoras untavam as mãos dos patrões e arrotavam postas de gosto já lá vai, amigos. Mexam-se e dinamizem a coisa porque neste momento é mais "música para respirar" tubos de escape do que outra coisa. Tenho dito.

2 comentários:

M. disse...

E não podem começar a ouvir uma rádio por dia, seguindo aquele sábio conselho de uma alimentação variada:)?

João disse...

E alguém tem tempo e cabeça para isso? Nem para mudar os CDs se arranja... Mais valia desligar e cada um assobiar no seu canto.

Arquivo do blogue