14.6.07

Epistemologia en passant


Ele: “Hum... sim, é uma obra a vários títulos notável. As duas peças, a de exterior e a de interior, reencenando preocupações temáticas e formais sem todavia esquecer a sua inserção concreta. Repara como a peça convergente consiste numa aproximação feliz ao universo pré-
-funcionalista, fazendo sentir a presença dos motivos insistentes da fragmentação e da intropatia mais jactante, enquanto a divergente, na sua magnitude grave, deixa que nela se projecte um sentimento de espera. Fabulosa capacidade de reinvestir uma densidade dramática que poucos artistas de hoje conseguem fazer com este telurismo e este sentido único de dramaturgia.”

Ela: “Tenho fome.”

5 comentários:

Biby Cletus disse...

Cool blog, i just randomly surfed in, but it sure was worth my time, will be back

Deep Regards from the other side of the Moon

Biby Cletus

João disse...

Thanks. Come back any time.

M. disse...

E o texto dele... é teu? Que rico vocabulário:) eu por acaso acho que ela deve ter razões para ter fome:)...

João disse...

O texto é meu, é dele e de quem o apanhar. Uma pequena ode aos críticos de arte e quejandos. Uma pequena queijada analítica para te deliciar, pequena m. Já quando era pequeno exclamavam: "Que riqueza (vocabular)!". Hoje é mais bolos.

M. disse...

;)deliciada, muito, mas se puder ser antes um pastel de nata, quentinho e com canela... I'll be at your feet!

Arquivo do blogue