19.12.07

O pão está caro e o circo não convence



Alex:

Este país já é só uma campanha de marketing, encabeçada por um vilão da Disney a galope numa diversidade carnavaleira de eventos, encontros e cimeiras. E este protagonismo cava irremediavelmente o fosso entre moderação, opinião pública, bom senso, enfim, e a ambição mais oca e desavergonhada. Portugal é um daqueles anúncios que fintam a todo o custo os malefícios do produto. Mas é cagão e alardeia méritos que não possui. E mesmo que os possuísse, teriam de ser merecidos. Esta nova acção de propaganda é o corolário de uma "filosofia" que promove e cultiva a 'celebridade referencial' através de uma demagogia anacrónica, salazarenta. Nada tem de modernidade, nada tem de construtivo. Tem tudo de vaidade pacóvia, gizada pelos 'estetas' do Governo, a sorverem a baba do seu auto-
-convencimento.

Estamos a recuar até chocar com a parede da garagem de onde nunca saímos.

2 comentários:

Alexandre disse...

Ando cansado de investir energias em apontar o dedo ao mau. Por principio prefiro colocar as energias a apoiar o bom, mas neste caso tenho de concordar contigo. Acho que a expressão "vaidade pacóvia" que utilizas define bem a essência desta campanha e infelizmente é um reflexo da nossa cultura. É pena. Gostava de gostar mais deste país.

João disse...

Muito tenho reflectido sobre o negativismo que me domina, por vezes. É difícil agarrarmo-nos ao positivo, que o há, naturalmente, quando as coisas mais fundamentais para a estabilidade de um país são sistematicamente hipotecadas. A última chama-se "Porta 65" e pergunto-me se vale sequer a pena comentar.

Arquivo do blogue