18.12.07

Felizmente não cheira



No site do Ministério da Economia e da Inovação pode ler-se:


Portugal Europe’s West Coast é a assinatura da nova campanha de promoção do país que pretende alterar a percepção externa da imagem de Portugal, posicionando-o como o País moderno, inovador e empreendedor que já é na realidade.

A campanha associa o país ao Oeste da Europa (Europe’s Weast [sic] Coast) e a conceitos de modernidade, inovação, tecnologia, empreendorismo e qualidade de vida, promovendo Portugal como um todo, desde o turismo, economia, comércio e cultura, e qualificando a oferta dos recursos, pessoas e produtos nacionais.

(…)

A campanha explora a ligação com os talentos nacionais com expressão internacional (…) entendidos como símbolos de um Portugal moderno e vencedor.

O autor das imagens da campanha de promoção, o inglês Nick Knight, é um dos mais conceituados fotógrafos mundiais. Através da sua objectiva, o país é captado de uma forma criativa, dinâmica e inovadora.”

Se o gajo que escreve isto tem consciência, anda a gastar o salário todo em psicotrópicos.

2 comentários:

Alexandre disse...

Lembro-me de ter lido o artigo do Bidarra no Público há uns anos. Achei inteligente o conceito. Isto apesar da ideia implicíta de posicionar Portugal como uma California da 2ª. Sempre seria uma estratégia de nos diferenciar do rótulo dos PIGS (Portugal, Italy, Greece, Spain).
A ideia de mudar de bandeira só porque nunca um país o fez como acção de marketing já achei mais rebuscado, mas enfim.
Na altura pensei que com uma estratégia enunciada da forma como eles o tinham feito seria fácil traduzir isso gráficamente.
Finalmente vi o conjunto de imagens da campanha. OUCH... Os retratos que se fundem com paisagens são puro "Tunning". O tratamento gráfico desastroso com total incompreensão de tipografia. E ainda por cima dando um enorme destaque ao autor das fotografias (who cares? quem é que sabia quem era o Nick Nolte ou Knight or o raio que o parta antes disto?).
Já agora o que há de tão distintivo nesta campanha que faça a comunidade internacional reparar no país. Poderíamos pegar em fotografias de maratonistas Marroquinos e fundir a imagem com cenas do deserto.
Aquilo é claramente para consumo interno. Ficamos todos contentes por termos uma mão cheia de gente no país que aparentemente são dos melhores internacionalmente na sua área.
Ando cheio de vontade de ir conhecer aquel país daquela moça campeã mundial da marcha dos 40Km, pena é que não me lembro nem do nome dela nem do país.

João disse...

http://bbdo.innovagency.com/bbdo_destaque_00.asp?destaque=%7BFF62D4A1-1954-4313-BF13-F0162F7498E4%7D

O manifesto original (com alguns
flagrantes erros ortográficos).

Arquivo do blogue