12.12.07

Meu caro Senhor A.



Curvo-me perante a já tão provecta idade com que o trajecto cosmovivencial o cataloga hoje. Digna de devida genuflexão, pois muita sapiência adquirísteis e inúmeros feitos conquistásteis, desde o tempo em que todas as formas verbais terminavam em
-ísteis e em que nem todos os animais falavam. Muitas prendas lhe desejo mas tenho no meu profundo sentir que prendado está vossecelência, no lar, no mester e na ideia. Desejo, acima de tudo, que encontre por fim aquilo que tanto procura. Citando-o (se me permite), terminarei: um grande bem haja!

1 comentário:

Alexandre disse...

Obrigado. Era suposto nesta altura pelo menos já saber o que procuro não era?

Arquivo do blogue