20.5.08

Dias 16, 17 e 18: humor me



O humor deve ser democrático, sim senhor. Tem uma função social, pois tem. Mas não me sinto especialmente inclinado para a pluralidade do riso. Não é por arrogância e a ausência de rugas de expressão denuncia esta resistência prolongada ao género. E no entanto seria desejável que me revisse mais facilmente no humor commumente praticado. Há algo no acto de rir à la carte associado a uma permissividade que não possuo. Essa permissividade é por definição um sinal de inteligência. De outra forma, tendo em conta certos temas e interpretações, seria sinal de total inconsciência. Mas a estupidez não se ri do humor com dois dedos de testa. Libertar-se de reservas, transgredir códigos auto-impostos e, não raras vezes, colocar em stand by algumas convicções profundas, requer maior maturidade e maior complacência para com a contradição humana. Tenho dificuldade em identificar o que me faz rir. Há um elemento afectivo no processo: o Herman, com quem cresci, e que foi outrora um cómico genial; o meu irmão mais velho e as suas caricaturas imprevistas; o espalhafato partilhado com quem tenho uma dada química pré-estabelecida… Se calhar é o que nasce, não de situações “esperadas”, mas de situações “desejadas”, necessárias e estabelecidas nos nossos próprios termos e no nosso próprio terreno. E depois há o plano referencial, que tem tudo a ver com a extensão raivosa das minhas crenças. A intencionalidade com surpresa, com choque, a ilustração sem barreiras de que por detrás de um homem há sempre um grande animal. Por isso, não, não me sento na plateia da stand-up comedy e muito dificilmente conseguirei fazer rir alguém que me peça para o entreter. Não é o efeito que me interessa, mas sim o propósito.

5 comentários:

M. disse...

Eu aqui me confesso, que não percebo nada de comédia, nem de stand-up, nem de guionismo nem de nada disso. Mas rio-me (quase) sempre imenso contigo... isso diz-te alguma coisa;)?

João disse...

Diz-me que és pouco exigente em termos de humor. Ou que me queres pedir algo. Ou que me estás a chamar palhaço... E pronto, que estou farto de escrever. Além disso, quem disse que não percebes. Até parece.

M. disse...

Não, não e... não.

Ridwan disse...

Provocação ?! http://www.rlslog.net/meet-the-spartans-unrated-dvdrip-xvid-larceny/

João disse...

Estás a tentar dizer-me algo?

Arquivo do blogue